quarta-feira, 23 de abril de 2014

Round 1 Publicidade promove super censo sobre quadrinhos


Com o objetivo de compreender melhor o pensamento do público com relação aos quadrinhos e a aceitação de personagens nacionais em licenciamentos, a Round 1 Publicidade está promovendo um Censo sobre o tema, e espera contar com grande participação de internautas. Para opinar, é necessário acessar este link. 

O responsável pela pesquisa é Lincoln Nery, criador dos quadrinhos do herói brasileiro Jou Ventania, que atualmente procura parcerias e oportunidades de negócios para seu personagem. Para contatos com o autor, basta enviar e-mail para jouventania1@gmail.com . O personagem tem a fan page www.facebook.com/JouVentania

Vida de Ayrton Senna em quadrinhos pela Editora Nemo


Mesmo após o acidente em Ímola, há exatos 20 anos, Ayrton Senna continua vivo nas mentes e corações de fãs de todo o planeta. Para homenageá-lo, sua história no automobilismo é contata na HQ Ayrton Senna: A Trajetória de um Mito, do trio de autores europeus Froissart, Papazoglakis e Paquet, um lançamento mundial que chega ao Brasil pela Editora Nemo, em parceria com o Instituto Ayrton Senna.
Com sua genialidade dentro das pistas, Ayrton Senna da Silva conquistou muito mais do que três campeonatos mundiais de Fórmula 1, em 1988, 1990 e 1991. Ele conseguiu se consagrar como ídolo nacional em uma época de instabilidade política e econômica. Levou o orgulho de sua nação nas cores de seu capacete e colocou a bandeira do Brasil no lugar mais alto do pódio por 41 vezes.


O álbum começa com a primeira corrida na chuva de Senna, ainda no kart, e sua obsessão em se aprimorar para ser o melhor. Depois desse flashback, o leitor é levado para um momento marcante do piloto: o Grande Prêmio de Mônaco em 1984, ano de sua estreia na principal categoria do automobilismo mundial. A chuva cai no principado e Senna se prepara para dirigir o seu limitado carro da equipe Toleman, em um dos circuitos mais difíceis do campeonato. Larga apenas na 13ª posição e, com genialidade, ultrapassa seus adversários em pouco tempo. Faltava apenas o líder Alain Prost, mas, quando o brasileiro estava a ponto de ultrapassá-lo, o GP é paralisado, devido à pesada chuva. Ali se inicia a rivalidade entre Senna e Prost, uma das maiores na história da Fórmula 1.
Com um acabamento detalhado e traço minucioso, os desenhos da HQ capturam o dinamismo e toda a emoção que as corridas envolvendo Senna proporcionavam ao público. Episódios inesquecíveis ganham vida a cada quadro. O dramático triunfo do piloto no Autódromo de Interlagos em 1991; as polêmicas com Prost nos GPs do Japão e a conquista do seu tricampeonato mundial naquele país onde, até hoje, ele é idolatrado.


A obra conta ainda os incentivos e ensinamentos do pai de Senna, Milton da Silva, e curiosidades de sua carreira, como a sua primeira vez no volante de um carro de Fórmula 1 e a relação e solidariedade com outros pilotos brasileiros como Rubens Barrichello, Chico Serra e Emerson Fittipaldi.
No próximo dia 1° de maio completam-se 20 anos do acidente em Ímola. Mas a história de Ayrton Senna dá mostras de transcendê-la, sendo lembrado e homenageado em todo o mundo, como em Ayrton Senna: a Trajetória de um Mito.
Lionel Froissart (nascido em 1958) é um jornalista francês especializado em esportes a motor com livros que abordam o tema, paixão desde a sua infância. Amigo pessoal de Ayrton Senna, publicou três títulos sobre o piloto brasileiro. Os belgas Christian Papazoglakis (nascido em 1969) e Robert Paquet (em 1971) são desenhistas e têm o estúdio Pakap onde trabalham suas próprias séries e livros ilustrados de histórias com carros e velocidade.


 O Instituto Ayrton Senna é uma organização sem fins lucrativos que pesquisa e produz conhecimentos para melhorar a qualidade da educação, em larga escala. Fundado em 1994, por desejo do tricampeão de Fórmula 1 Ayrton Senna, o Instituto trabalha para desenvolver o potencial das novas gerações, ajudando estudantes a ter sucesso na escola e a ser cidadãos capazes de responder às exigências profissionais, econômicas, culturais e políticas do século 21. Anualmente o Instituto Ayrton Senna capacita 75 mil educadores e seus programas beneficiam diretamente cerca de 2 milhões de alunos em mais de 1.300 municípios nas diversas regiões do Brasil.

Ayrton Senna – A trajetória de um mito

Editora Nemo
Roteiro: Lionel Froissart
Ilustração: Christian Papazoglakis e Robert Paquet
Tradução: Fernando Scheibe
Acabamento: brochura
48 páginas
20 x 28 cm
R$ 29,90 

quinta-feira, 17 de abril de 2014

DOWNLOAD: VITAMINA HQ #1


Publicado em meados de 2005 pela cooperativa Visagem Quadrinhos, o zine VITAMINA HQ reune uma coletânea de histórias de diversos artistas de São Luís-MA. Com o objetivo de publicar seus trabalhos de forma independente e mostrar que os quadrinhos no Maranhão continuam vivos e fortes este grupo uniu forças e mostrou que a união faz a força. 

Agora tome sua dose e boa diversão!

Download: http://www.mediafire.com/download/8p7ga1p29y6feea/Vitamina+HQ+%231.rar#1.rar

terça-feira, 15 de abril de 2014

15 de Abril - Dia Mundial do Desenhista


   A data foi instituída em 2011 pela Associação Internacional das Artes (IAA) e foi escolhida essa data em homenagem a Leonardo Da Vinci, nascido em 15 de abril de 1452.
   Da Vinci é um dos maiores gênios da humanidade (para mim e pra muita gente, o maior) que provou com sua vida e obra que os seres humanos podem sim superar seus limites culturalmente impostos, chegando a ser quase um sobre-humano. Ele se destacou como cientista, matemático, engenheiro, inventor, anatomista, pintor, escultor,arquiteto, botânico, poeta e músico. E é uma das minhas maiores inspirações sempre! Então, um grande abraço e parabéns para todos nós que, assim como Da Vinci, buscam todos os dias superar a si mesmos!

segunda-feira, 14 de abril de 2014

DOWNLOAD: MUNDOS COLIDEM #5


Maxi-série em 10 edições que reúne os maiores super-heróis das HQBs em um confronto para decidir o destino do nosso mundo contra as forças malignas de ÉREBO, ÊQUIDNA e NIX. Três criminosos vindos do futuro que se refugiam em nosso tempo buscando reestabeler seus poderes e iniciar seus planos de dominação. Nesta edição: Enquanto os heróis enfrentam o poder da terrível ÊQUIDNA na terra, o HOMEM-CAMALEÃO é levado para outra dimensão onde revive traumas do seu passado e se vê obrigado a enfrentar o próprio HOMEM-CAMALEÃO! Como? Descubra nesta edição!

SUPER-HERÓIS DAS HQBs- BRASÃO VERDE


Visitem a página do artista no facebook: https://www.facebook.com/emerson.lino.543?fref=ts

ARMAGEDON SENSHI #3


Mais um emocionante capítulo da saga ARMAGEDON SENSHI, do talentoso VAL BARUT. Este mangá que se tornou um dos épicos entre as webcomics nacionais. Nesta edição a porradaria come solta, então vale a pena conferir! 
CLIQUE NO LINK ABAIXO PARA LEITURA ON LINE!

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Primavera dos Livros 2014 terá debate sobre quadrinhos

Neste, ano, a Primavera dos Livros acontecerá entre os dias 10 e 13 de abril, na Praça Dom José Gaspar, República, em São Paulo/SP. O evento homenageará a literatura da periferia, com a presença de mais de 15 coletivos de cultura da periferia da capital paulista.
Uma das novidades para 2014 é a inclusão de debate sobre a nona arte, chamado Quadrinhos em Ação, a ser realizado no sábado, dia 13, às 15h. Os debatedores serão Guilherme Kroll, Walter Tierno, Eloar Guazelli e Celso Oliveira.
Além disso, editoras que publicam quadrinhos também estarão presentes, como a Balão Editorial, Estação Liberdade, Peirópolis, Cosac Naify e Giz, que estreará um selo de HQs.
A Primavera dos Livros é organizada pela Libre – Liga Brasileira de Editoras, e tem como objetivo promover a bibliodiversidade e a difusão da cultura literária nacional, por meio da interação entre leitores, autores, editores, intelectuais e críticos.


sábado, 5 de abril de 2014

“Mercado de Pulgas” agora é “Festival Guia dos Quadrinhos”

O evento volta em outubro, agora com um novo nome, mais atrações e todo um final de semana de duração
Desde seu surgimento, em 2008, o evento Mercado de Pulgas, organizado por Edson Diogo, criador do portal Guia dos Quadrinhos, tornou-se um dos favoritos entre os consumidores de quadrinhos e cultura pop em geral. Não apenas porque é possível encontrar raridades como aquelas colocadas à venda pelos expositores, mas também porque é um dos únicos eventos onde os leitores são capazes de conversar, trocar ideias e dar sugestões aos profissionais dos quadrinhos no Brasil, no que já se tornou uma grande reunião de amigos e pessoas que compartilham os mesmos interesses.
Editores da Panini, Abril, Mauricio de Sousa, HQM, JBC, Nova Sampa e várias outras já participaram do evento, assim como desenhistas e roteiristas da Disney; autores dos mais variados quadrinhos nacionais e importados e colecionadores lendários no mercado. O Mercado de Pulgas se tornou um dia dedicado à diversão, troca de ideias e a união de leitores com seus ídolos num mesmo espaço e em pé de igualdade, em um grande clima de camaradagem.
Apesar de o nome “Mercado de Pulgas” ter se popularizado entre os fãs de quadrinhos, não trazia nenhuma ligação com o site Guia dos Quadrinhos e causava confusão quando pesquisado na internet, devido à quantidade de eventos com o mesmo nome, mas com foco muito diferente.
Desde 2012, o evento também deixou de ser apenas um encontro para compra e venda de quadrinhos e incorporou palestras, sorteios, quizes e paineis de discussão entre suas atrações, o que também fazia um tanto incongruente seu título original. Por isso, a partir deste ano, o Mercado de Pulgas passa a ser chamado de Festival Guia dos Quadrinhos, um nome que representa melhor sua proposta em ser o maior entre os pequenos eventos de quadrinhos e cultura pop do Brasil!
Mas essa não é a única mudança! Para atender a pedidos de expositores e visitantes, este ano o evento será realizado em dois dias: 11 e 12 de outubro. Além do tradicional salão de vendas e trocas de quadrinhos, mangás, DVDs, action figures e outros; o evento trará mais palestras e bate-papos com profissionais, maior participação de artistas nacionais e editoras; sessões de autógrafos; atividades especiais para crianças e um concurso de cosplay organizado pelo tradicional grupo Comics Cosplay BR.
Como nas últimas três edições, o evento será realizado na Associação Beneficente Osaka Naniwa Kai (Rua Domingos de Moraes, 1581 – Vila Mariana – São Paulo), mas – uma outra novidade – ocupará dois andares do edifício, em vez de apenas um.

Em breve serão divulgadas as palestras, convidados, participantes e outras atrações do evento.

Festival Guia dos Quadrinhos 2014
Datas: 11 e 12 de Outubro
Local: Associação Beneficente Osaka Naniwa Kai (Rua Domingos de Moraes, 1581 – Vila Mariana, a 100 metros do metrô
Organização: Guia dos Quadrinhos (www.guiadosquadrinhos.com)
Contato: festival@guiadosquadrinhos.com

terça-feira, 1 de abril de 2014

A light novel "No Game No Life" do brasileiro Yuu Kamiya ganhará um anime esse mês!


Tenho observado que essa notícia levantou o ânimo de muita gente aqui no Brasil, mas não acho que hajam tantos motivos assim para comemoração da parte dos aspirantes a mangaká que veem nesse fato uma porta que se abre rumo ao mercado japonês. Digo isso porque o cara nem é tão brasileiro assim. Na verdade Yuu vive no Japão desde os 7 anos de idade e nem sequer sabe falar o português direito. Não estou desmerecendo o cara, afinal eu daria meus mais sinceros parabéns a ele por ter conseguido tal feito, mas eu também daria meus parabéns pra qualquer outro japonês que consiga conquistar espaço no competitivo mercado nipônico. Entretanto, o fato de um brasileiro conseguir fazer sucesso e conquistar um anime no Japão em nada muda a situação dos demais brasileiros que tentam fazer o mesmo. Visto isso eu pergunto a você que ainda sonha em alcançar o seu lugar ao Sol nascente com seus dons quadrinhísticos...


vale a pena tentar?

Antes que alguém comece um discurso sobre determinação, esperança e superação, vou deixar claro que não pretendo desestimular ninguém na sua jornada rumo ao outro lado do mundo. Porém muitos que alimentam esse sonho nem se dão conta das dimensões que envolvem alcançá-lo. Por outro lado eu prefiro acreditar que o oásis que procuramos está mais perto de nós do que a 18.553km.
Antes de tudo veja essa matéria escrita por Sérgio Peixoto sobre as adversidades que você vai encontrar no caminho caso queira seguir essa laboriosa carreira internacional, e depois volte aqui pra gente continuar a conversa.



Certo... agora que você já sabe das dificuldades de se tornar e se manter como mangaká no Japão, vou dar alguns motivos pelos quais você poderia preferir se aventurar por aqui mesmo.
Pense bem, se você resolveu verter sangue pelos poros até conseguir uma oportunidade no mercado nipônico, agarre-se a ela, mas lembre-se que você estará fazendo pouca diferença na sociedade. Você será apenas um cara que foi trabalhar num país estrangeiro, e as editoras de lá não vão começar a se interessar pelos artistas daqui só porque você conseguiu. E você ainda corre o risco de ser cancelado e voltar de mãos abanando.
Mas aí você me diz que o mercado nacional não abre as portas para os artistas e que quadrinhista não tem valor no Brasil e nhem nhem nhem blá blá blá etc. Sim, isso é verdade. Mas você acha que o mercado japonês sempre foi essa maravilha toda? Não, meu amigo. A explosão do mangá no Japão se deu lá pelos anos 20, quando o país se recuperava das dores da guerra. O mangá veio como uma forma barata de aliviar a tensão das pessoas. Mas o fenômeno mangazístico não se deu por conta simplesmente do baixo custo e fácil acessibilidade do produto não. O mangá alcançou tamanhas proporções no país porque era feito PARA O PAÍS. O povo podia se identificar nas páginas daquelas histórias que, mesmo fictícias, refletiam a realidade de cada um e também a situação social coletiva. Naquele período, após o fim da guerra, o povo precisava de algo que espelhasse sua condição de derrota e desejo de superação. Assim proliferaram os mangás de esportes que exploravam ao máximo esse tema, além de uma diversidade de outros temas que retratavam não a realidade de outros países mais "legais", mas sim a realidade chata do povo que, nas páginas desenhadas, ganhavam uma abordagem interessante com a qual qualquer um podia se identificar.
Até hoje os mangás são conhecidos por sua imensa diversidade temática - até mangá sobre pescaria você encontra
Agora pense comigo, se os mangakás daquela época resolvessem fazer histórias ambientadas no ocidente, com personagens americanos ou europeus, será que o mangá teria tido o mesmo impacto e atingido as proporções que tem hoje? Dificilmente.
Voltemos à nossa realidade e vamos pensar sobre a mídia mais prolífera no nosso país.
 
...
 
Pensou? Isso mesmo, as novelas. Elas fazem sucesso porque retratam a sua vida, a minha, a do povo brasileiro. Ok, eu não gosto de novela, mas elas fazem sucesso com o público porque retratam a realidade do público. E mesmo que em alguns casos o diretor resolva tomar como base uma cultura diferente - como as novelas da Glória Peres que já utilizaram-se de diversas culturas orientais - o foco é sempre em personagens brasileiros e sempre se dá um jeito de brasileirizar o estrangeiro. Direcionando esse pensamento para o mercado de quadrinhos, pergunte-se, o que torna o nosso produto diferente? Se eu faço um mangá sobre uma colegial japonesa chamada Sakura, ou sobre um samurai renegado em busca de vingança, ou sobre um jovem ingênuo que luta artes marciais, não vai apresentar nada de diferente, então o leitor vai chegar na banca e ver um "Naruto", um "Rurouni", um "Guerreiras Mágicas". Diante de tantos títulos japoneses o meu Samurai Seiláoque vai ser só um mangá genérico feito no Brasil, nada mais que isso. Por mais que você diga que tem conhecimento da cultura japonesa e sua história é super original, as pessoas que se interessam pela cultura oriental vão sempre preferir material produzido pelo oriental.

Faça um mangá que se destaque no meio desses aí
O que quero dizer com isso? Que talvez a culpa de o quadrinho nacional ainda não terem atingido um status respeitável no nosso país não seja totalmente das editoras. Afinal, será que a Shonen Jump publica tantos mangás só porque ela é boazinha e dá oportunidade para os artistas por pura generosidade altruísta? Mas de jeito nenhum! Se os mangás não fossem lucrativos a editora publicaria revista de maquiagem, moda, fofoca, pornô ou qualquer outra coisa que lhe rendesse lucros.
O que tá faltando no Brasil não é oportunidade, mas qualidade e, principalmente autovalorização cultural. Se você está fazendo quadrinhos pensando em inserir a cultura japonesa só porque você gosta de mangá, então continue tentando a utópica carreira nipônica. Entretanto, talvez se você começar a ver que nossa cultura é tão rica quanto a deles e tentar abrir os olhos para a realidade social em que o povo brasileiro vive, talvez possamos demonstrar um diferencial no mercado. Talvez possamos capturar um público maior do que uns poucos apreciadores da cultura japonesa que querem dar uma chance para o autor brasileiro. Talvez possamos dar início a uma futura explosão do quadrinho nacional.

Agora uma notícia que me animou bastante esse fim de semana:  


Enfim  YuYu Hakusho de volta ao Brasil! 



Três vivas para a JBC!!!
Eu disse, três vivas para...
                            ah, esquece. 

Encontro de desenhisitas acontece em São Luís neste sábado!


Data: Sábado, 5 de abril 
Horário: Das 14:00h às 18:00h
Local: Beco dos Quadrinhos, Edifício Sousa Center, sala 301, Centro, Avenida Beira Mar, por trás da RFFSA.

Participe!