sexta-feira, 8 de junho de 2012

Aumento de super-heróis gays gera polêmica e aquece as vendas do mercado de HQs

Esse é um tipo de assunto que tem causado muita polêmica ultimamente e aproveito o espaço para abrir esta discussão sobre o tema. 

Reportagem publicada no vespertino para tablet O GLOBO MAIS.



RIO - Chegou nesta quarta às gibiterias dos EUA o quadrinho que tira do armário um dos mais tradicionais super-heróis da história dos quadrinhos: o Lanterna Verde original, Alan Scott. Criado há 72 anos, ele assume sua homossexualidade nas páginas de "Earth 2" n 2, da DC Comics, que aporta no mercado de HQs com a promessa de se tornar o best-seller do ano, graças à polêmica que vem provocando desde sexta-feira, quando imagens de Scott beijando um rapaz foram divulgadas.

Pesquisadores americanos arriscam que o crescimento de gays e lésbicas nas histórias de editoras como a DC e a Marvel — líderes de vendas — chegou a cerca de 25% de 2002 para cá. Mas é a primeira vez que um super-herói mítico tem a opção sexual modificada para capturar novos públicos. Embora existam vários Lanternas Verdes — sendo o mais famoso Hal Jordan, levado à telona num filme com Ryan Reynolds —, Scott foi lançado antes, fazendo fama e fãs na década de 1940. E o responsável por sua mudança, o roteirista James Robinson, promete, para os próximos meses, modificar a sexualidade de outro mito, cujo nome mantém em segredo.

"Earth 2" vem na esteira de outro fenômeno editorial também ligado ao amor entre dois homens: no dia 25 de maio, entrou em circulação "Astonishing X-Men" n 51, da Marvel Comics, dedicada ao casamento entre o mutante Estrela Polar e seu namorado. Sua capa, na qual o vigilante beija seu futuro marido, já deflagrou protestos de entidades religiosas e associações em prol da família. A maior antipatizante é a entidade cristã One Million Moms, cuja queixa é de que o gesto de Scott e de Estrela Polar não seja adequado a títulos voltados para o público jovem.

— Alguns leitores gays também não ficaram felizes, pois já ficamos decepcionados outras vezes com esse tipo de ação. É preciso ver como a história dos personagens será conduzida — explica por e-mail ao GLOBO Joe Palmer, editor do site "Gay League" (http://www.gayleague.com), dedicado à cultura GLS nas HQs.

Estrela Polar foi o primeiro super-herói importante a se assumir publicamente gay, em 1992, em "Alpha Flight" n 106. Desde sua criação, nos anos 1970, por John Byrne, ele foi idealizado para ser gay, mas a Marvel rejeitou a ideia por anos. Antes dele, a saga "Milênio", da DC Comics, publicada aqui em 1989, trouxe um coadjuvante superpoderoso gay: o peruano Extraño, que desapareceu das páginas.

— Em 92, a edição em que Estrela Polar se assume esgotou em uma semana. Mas as menções posteriores à sua homossexualidade foram raríssimas nesses 20 anos — lembra o artista plástico Aristides Dutra, pesquisador de HQs.

Frente à corrida por "Astonishing X-Men" nas bancas, Palmer lembra que o cinquentenário gibi "Archie", voltado ao humor e não a mascarados, agitou o mercado em 2011 ao anunciar o casamento do gay Kevin Keller com um namorado. Na década passada, houve ainda o casório dos justiceiros Apolo e Meia-Noite na série "Authority", da WildStorm, selo editorial da DC. Mas entre rejeições e adesões à vida amorosa do Lanterna Verde, sites e fóruns de leitores na internet levantam acusações de que os gibis erguem a flâmula do arco-íris num gesto político, sintonizado com a posição favorável do presidente americano Barack Obama, à união civil entre homossexuais, em ano de eleição nos EUA.

— O Estado de Nova York legalizou o casamento gay em junho de 2011. É possível que a legalização tenha influenciado James Robinson e os editores da DC. Mas Robinson já declarou que começou a idealizar as mudanças há oito meses. Não vejo ligações com a questão política — afirma Palmer. — O que eu vejo de concreto é: o aumento de gays e lésbicas nos gibis foi demorado. Até 1989, qualquer conduta sexual "fora do padrão", ou seja, homossexual, era proibida. Naquele ano, o Comics Code Authority (código que legisla as HQs dos EUA) mudou.

Enquanto o Lanterna Verde causa grita, a safra de novos heróis de homossexualidade declarada cresce. Os mais recentes são o Vingador Chocante e o X-Man Anole. No Brasil, a HQ "Os Vingadores — Especial", lançada em abril, traz discussões de relação entre Hulkling e seu namorado, Wiccano. No gibi "X-Men Extra", as brigas entre Rictor e Shatterstar acabam com os dois nus sob os lençóis. Já a detetive Renee Montoya, que patrulha as ruas sob a identidade de Questão, já apareceu em revistas nacionais aos beijos com várias beldades, entre elas Katherine Kane, a Batwoman.

— Hoje até o Maurício de Souza já ensaiou a possibilidade de adotar personagens homossexuais em seus projetos, quando, em uma história da Tina, insinua que um de seus amigos é gay — diz Victor Klier, que criou a personagem lésbica Aline na tira "Turma da Febeca".

Criador dos caubóis gays Rocky e Hudson, em 1987, o cartunista Adão Iturrusgarai diz que o aumento de heróis gays é reflexo de uma evolução pelas conquistas homossexuais. Mas, irreverente, alerta: "O governo deveria criar cotas para heróis heterossexuais. Desse jeito não vai sobrar nenhum macho no ramo."

-------------------------------------------------------------------------------------------------------

 De fato o assunto divide opiniões. Enquanto alguns concordam achando que isto pode ajudar  a quebrar o precoceito existente contra os homossexuais, outros acreditam que isto é estratégia de marketing das grandes editoras, tentando reconstruir personagens tradicionais em busca de mercado ou que este tipo de associação acaba por afetar crianças que lêem quadrinhos, entre outros.

Nenhum comentário: